Setembro 20, 2016

“A Arca Russa”, de Aleksandr Sokurov de 2002: Cartazes e Fotografias

Este slideshow necessita de JavaScript.

Setembro 20, 2016

“A Arca Russa”, de Aleksandr Sokurov de 2002: Trailer

Setembro 20, 2016

Boletim da 263ª Sessão: “A Arca Russa”, de Aleksandr Sokurov, 2002

09-a-arca-russa

2.000 actores, 33 salas do Museu Hermitage, 300 anos de História da Rússia ensaiado durante 3 meses, filmado de uma só vez, num único plano-sequência de 90 minutos. Continuar a ler

Setembro 14, 2016

Programação Outubro 2016: Cartaz

ciclo-cinema-e-saude-mental-versao-2

Setembro 13, 2016

“A Festa de Babette”, de Gabriel Axel de 1987: Cartazes e Fotografias

Este slideshow necessita de JavaScript.

Setembro 13, 2016

“A Festa de Babette”, de Gabriel Axel de 1987: Trailer

Setembro 13, 2016

Boletim da 262ª Sessão: “A Festa de Babette”, de Gabriel Axel, 1987

08-a-festa-de-babette

“O prazer de usar os seus talentos para proporcionar aos outros um tipo de felicidade que se aproxima da epifania, aquela impressão de que algo perfeito aconteceu, um tipo de experiência capaz de mudar os dias, ou pelo menos, o humor naquele dia. De certa forma esta é a busca da culinarista Babette, chef que andava longe do seu ofício, mas que não esqueceu o quanto de alegria pode proporcionar uma mesa farta, servida com generosidade e um investimento pessoal, que, literalmente, não estabelece limites. Continuar a ler

Setembro 6, 2016

“Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha de 1964: Cartazes e Fotografias

Este slideshow necessita de JavaScript.

Setembro 6, 2016

“Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha de 1964: Trailer

Setembro 6, 2016

Boletim da 261ª Sessão: “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha, 1964

04-deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol

“Deus e o Diabo na Terra do Sol foi realizado em meio à convulsão política do país, de 1963 para 64, e estreou em três cinemas do Rio de Janeiro há 50 anos, no dia 10 de julho de 1964. Suas primeiras sessões privadas, realizadas nos meses anteriores, já haviam provocado assombro nos felizes convidados de seu jovem diretor, Glauber Rocha (então com 25 anos), de acordo com descrições posteriores como aquela que o jornalista Nelson Motta entrega na sua muito contestada biografia A Primavera do Dragão (Objetiva, 2011). Desde a entrada em cartaz, elogios rasgados e até comparações arriscadas se sucederam, primeiro nos jornais, depois na Academia. Continuar a ler

%d bloggers like this: