Archive for ‘Boletim’

Outubro 19, 2017

Boletim da 316ª Sessão: “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”, de Milos Forman, 1975

Uma adaptação do livro de Ken Kesey, “Voando Sobre Um Ninho de Cucos” conta a história de Randle Patrick McMurphy (Jack Nicholson), um recluso de 38 anos que foi transferido do estabelecimento prisional de Pendleton para um hospital psiquiátrico devido às suas atitudes beligerantes fingidas, que esperava ele o dispensassem do trabalho exigido na prisão.

read more »

Anúncios
Outubro 9, 2017

Boletim da 315ª Sessão: “Freud, Além da Alma”, de John Huston, 1962

O filme cobre a vida de Freud desde sua graduação em Medicina na Universidade de Viena até o desenvolvimento de suas primeiras teorias psicanalíticas (1885 a 1890), incluindo suas descobertas acerca do funcionamento do inconsciente humano, do complexo de Édipo e da importância da sexualidade, e a resistência que essas teorias encontram na época.

read more »

Outubro 2, 2017

Boletim da 314ª Sessão: “Psico”, de Alfred Hitchcock, 1960

“Neste thriller, Alfred Hitchcock volta a manipular o espectador voyeur e aterroriza-o com os estridentes sons que emanam dos violinos dirigidos pelo músico Bernard Herrmann. Marion Crane e Norman Bates são os principais personagens de uma história repleta de inesperadas reviravoltas, imortalizados por Janet Leigh e Anthony Perkins.

read more »

Setembro 28, 2017

Boletim da 313ª Sessão: “A História de Adèle H.”, de François Truffaut, 1975

“Em suas histórias de amores destrutivos, Truffaut sempre procurava elencar elementos humanos, artísticos e narrativos bem diferentes, realizando um diálogo com as artes, destacando a pintura e a literatura e mostrando a cada nova obra do gênero as muitas formas do coração quebrantar a alma de uma pessoa.

read more »

Setembro 21, 2017

Boletim da 312ª Sessão: “Peregrinação Exemplar”, de Robert Bresson, 1966

“Escrito e dirigido por um dos grandes mestres do cinema, Robert Bresson, “Peregrinação Exemplar” é um magnífico e inesquecível filme do cinema francês de meados do século passado. Através dessa incomparável obra-prima, Bresson procura passar ao espectador a crueldade da exploração humana contra os animais e contra outros seres humanos.

read more »

Setembro 13, 2017

Boletim da 311ª Sessão: “Viver a Sua Vida”, de Jean-Luc Godard, 1962

“Apesar da prostituição ser o cenário de fundo de “Viver a sua Vida” de Jean-Luc Godard, o filme, como todas as obras do realizador, não se reduz a um só tema. É verdade que há um olhar informativo sobre a prostituição, mas há também um espantoso “retrato de mulher”, servindo Anna Karina – que, na altura, estava casada com Godard – como modelo.

read more »

Setembro 7, 2017

Boletim da 310ª Sessão: “Amor Proibido”, de Jean-Pierre Melville, 1961

Para aquelas que pensam que Melville só sabia fazer um tipo de filmes, começamos por dizer que “Léon Morin, prêtre” (1961) não é um polar, não há criminosos com chapéus e gabardinas que parecem saídos de um noir norte-americano nem uma fotografia profusamente estilizada ou uma aparatosa (?) gestão de silêncios a pontuar a narrativa.

read more »

Agosto 31, 2017

Boletim da 309ª Sessão: “A Bela e o Monstro”, de Jean Cocteau, 1946

“A Bela e o Monstro” é um dos mais encantadores filmes de todos os tempos.  Baseado no conto homônimo de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont, e realizado pela grande cineasta francês, Jean Cocteau, o filme é bastante fiel à história original.

read more »

Agosto 20, 2017

Boletim da 308ª Sessão: “A Estrada”, de Federico Fellini, 1954

Primeiro grande sucesso internacional de Federico Fellini, A Estrada (La Strada, no original) é, igualmente, um dos mais belos filmes jamais feitos e um dos mais pungentes retratos do período neorrealista italiano (juntamente com Ladrões de bicicletas, de Vittorio de Sicca e Roma, cidade aberta, de Roberto Rosselini).

read more »

Agosto 17, 2017

Boletim da 307ª Sessão: “O Comboio Apitou Três Vezes”, de Fred Zinnemann, 1952

“Ficou como um dos momentos decisivos na evolução do “western” ao longo da década de 50: o célebre “High Noon”, de Fred Zinnemann, tinha no seu centro dramático o par Gary Cooper/Grace Kelly.

read more »

%d bloggers like this: